Para incentivar a vacinação da população e o combate à desinformação, os jogadores do Santos Futebol Clube entraram no gramado da Vila Belmiro neste domingo (01/12), em partida contra a Chapecoense, com as mangas do uniforme arregaçadas e um curativo em um dos braços.

A iniciativa, realizada em parceria com a agência Havas Health & You e com a Associação Brasileira de Clínicas de Vacinação (ABCVac), pretende mostrar que as vacinas são tão seguras a ponto de serem tomadas mesmo antes de uma partida de futebol ou qualquer outra prática esportiva.

A ação foi pensada em virtude do grande surto de sarampo que, após atingir o Norte do país no ano passado, se alastrou para outras regiões do país em 2019. Só no estado de São Paulo já são 12.296 casos confirmados em 246 municípios, de acordo com a ABCVac. Na contramão da prevenção, o Brasil apresenta o menor índice de cobertura vacinal em 16 anos, fazendo com que o sarampo e outras doenças reaparecessem. O principal motivo para a falta de vacinação é a influência de informações erradas e falsas, as chamadas fake news.

Por isso, os atletas também carregaram uma faixa no campo com a mensagem “Vacina Salva. Fake News Mata”.

“O futebol é uma poderosa plataforma de causas. Estamos muito otimistas de que a mensagem será amplificada por meio dos jogadores. Pois se os atletas podem se vacinar antes de uma importante partida de futebol, isso significa que jovens sadios também podem e devem. Sem medo de qualquer problema, perigo ou contraindicação”, comenta Laura Florence, diretora executiva de criação da Havas Health & You, que também desenvolveu peças da campanha para o estádio, anúncios de jornal, posts para as redes sociais e spots de rádio.

Geraldo Barbosa, presidente da ABCVac, lembra que em um pesquisa recente “quase 60% dos brasileiros que não se vacinaram citaram um motivo relacionado à desinformação. Pelo bem da saúde pública, ações de incentivo à vacinação como esta precisam ser um trabalho contínuo e de todos”, finaliza .

Fonte: B9

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.