Na comparação com outubro de 2018, estabelecimentos monitorados pelo instituto de pesquisa apresentaram queda de 1,5% no número de exemplares vendidos, mas o faturamento cresceu 3,7%. Preço médio do livro subiu 5,3%.

Entre os dias 30 de setembro e 03 de novembro, livrarias, supermercados e lojas de autoatendimento monitorados pela GfK venderam 4 milhões de exemplares e faturaram R$ 160 milhões. Esses números indicam um fenômeno curioso: em comparação com igual período do ano passado, houve queda de 1,5% no número de exemplares vendidos, mas o faturamento cresceu 3,7%. Para alcançar esse resultado, houve uma queda nos descontos aplicados aos consumidores finais e consequente aumento de 5,3% no preço médio dos livros.

A GfK destaca que a queda nos descontos aplicados ao consumidor final interrompe a tendência de elevação observada desde o início do ano.

No acumulado do ano, há uma perda de 12,2% no volume e o faturamento apresenta queda de 9,2%. No entanto, há uma boa notícia aí (se é que dá para chamar isso de boa notícia): pela primeira vez, esse índice apresenta queda de menos de dois dígitos.

É bom lembrar que em outubro de 2018, o mercado varejista de livro vivia um pesadelo: a FNAC saia em definitivo do Brasil, a Cultura entrava com o pedido de recuperação judicial e a Saraiva seguia o mesmo caminho logo em seguida, em novembro.

Clique aqui para baixar a íntegra do estudo.

Fonte: Publish News

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.