‘Sra. Fletcher’ uma análise atemporal da sexualidade, identidade, maternidade e dos erros que as pessoas cometem quando não têm mais certeza de quem são

Eve Fletcher está inquieta. Divorciada e com 46 anos, ela precisa aprender a lidar com sua nova e solitária vida quando seu único filho sai definitivamente de casa para a faculdade. Uma noite, seu telefone acende com uma mensagem de texto. Enviada de um número anônimo, o misterioso remetente diz: “Vc é minha MILF!” Não é nada – apenas uma brincadeira irritante – mas ela não consegue tirar isso da cabeça. Conforme Eve faz novos amigos e se inscreve em um curso de Estudos de Gênero, a mensagem continua a assombrá-la, levando-a a uma fixação on-line que ameaça derrubar sua tranquila existência suburbana. Enquanto isso, o filho de Eve, Brendan, está descobrindo que o charme de garoto da faculdade que impressiona as meninas do ensino médio pode não ser tão atraente para as universitárias. À medida que o outono se torna frio, tanto mãe quanto filho encontram-se em situações moralmente carregadas que vêm à tona em uma fatídica noite de novembro. Sra. Fletcher (Planeta, 304 pp, R$ 54,90 – Trad.: Flávia Souto Maior), livro de Tom Perrotta, é uma análise atemporal da sexualidade, identidade, maternidade e dos grandes erros que as pessoas podem cometer quando não têm mais certeza de quem são – ou a onde pertencem.

Fonte: Publish News

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.