Este post faz parte do RD Summit Live Show, a cobertura completa do RD Summit 2019. Além de artigos, teremos entrevistas com palestrantes, fotos, vídeos e mais durante os três dias de evento. Visite a página da cobertura e fique por dentro de tudo!

Energia e interação são as palavras que costumam definir as palestras de Jacco vanderKooij, fundador da empresa de treinamento de vendedores Winning by Design. 

No RD Summit 2019, não foi diferente. Neste ano, ele trouxe à plenária do evento um grupo de dançarinos formado por RDoers para oferecer uma verdadeira experiência aos participantes. O tema da apresentação, aliás, foi justamente esse: como empresas podem oferecer uma boa experiência aos seus colaboradores.

Para Jacco vanderKooij, empresas estão focadas só em fechar negócios. “Mas será que essa é a única forma de nos tornarmos bem-sucedidos?”, questiona. Para ele, o melhor é certificar-se antes de que os seus colaboradores estão felizes para que eles possam, por consequência, garantir que os clientes estejam satisfeitos também.

Empresas bem-sucedidas têm foco na experiência dos colaboradores

Jacco vanderKooij diz que é comum que empresas comprem móveis bacanas, mesas de ping pong e cerveja de graça para os colaboradores. Mas, ainda assim, a média de tempo que um vendedor passa em uma mesma organização, por exemplo, é só de um ano e meio.

“Ninguém pede por uma mesa de ping pong durante uma entrevista de emprego. O que nós queremos são experiências”, diz. Para ele, na próxima década, as empresas que oferecerem a melhor experiência aos colaboradores terão os melhores talentos. Mas como fazer isso? 

Os 5 elementos-chave para oferecer a melhor experiência aos colaboradores

Impacto

O primeiro elemento que melhora a experiência dos colaboradores em empresas, para Jacco vanderKooij, é o impacto.

O palestrante diz que, em sua geração, o que muitas pessoas queriam era fazer algo em que fossem bons e pelo que, ao mesmo tempo, fossem pagos. Para eles, era essa a definição de impacto. “No entanto, criamos uma nova geração, para a qual isso já não é suficiente”, explica. A geração de hoje quer ter, também, algo que transforme o mundo.

Empoderamento

Jacco vanderKooij diz que “os alfas” — aquelas pessoas que podem forçar decisões — estão mandando no mundo. Por isso que, quando alguém tem uma ideia lá embaixo na organização, pode levar um tempo até que seja aprovada. 

“Isso cria o que chamamos de um modelo de negócios hierárquico”, diz. Para ele, o ideal seria que o executivo, em vez de tomar decisões, ajudasse as pessoas a entrarem em um consenso. “Isso faz surgir um tipo diferente de líder. Não gostamos de líderes que são perfeitos, porque não confiamos neles. Gostamos que nossos líderes sejam humanos. Os que fracassam são mais respeitados”, explica.

Ele falou ainda que cada pessoa tem o seu freebie, um superpoder com o qual cada pessoa nasce. Pode ser a habilidade de escrever bem, ler muito, falar em público: “é o que você recebe de graça e outras pessoas precisam lutar para conseguir”. E o freebie é algo que as pessoas podem explorar para se tornarem bons líderes.

Flexibilidade

Em terceiro lugar está a flexibilidade de tempo e local. A geração atual gosta de poder trabalhar de qualquer lugar, e nos próprios horários. “Do ponto de vista de marketing e vendas, não há motivo para que alguém tenha que trabalhar das 9h às 17h. Não existe razão técnica pela qual a gente precise estar no escritório”, explica. 

Esse ambiente, ele chama de WOW: é o lugar em que todas as gerações, não só a de hoje, vão querer trabalhar no futuro. 

Crescimento

Para Jacco vanderKooij, crescimento é o assunto mais discutido e complicado. Ele cita os casos em que o colaborador para de se desenvolver, enquanto a empresa segue crescendo. 

“Muitas empresas ensinam sobre produto, vendas e mercado, mas não dão treinam para a vida. O que os jovens querem é treinamento para a vida. Por que não estamos investindo nisso?”, questiona. Para ele, isso é um investimento em pessoas. 

“O que acontece muitas vezes é só demitir a pessoa. Mas não precisa ser assim. Oferecendo treinamento, essas pessoas podem melhorar”, diz.

Comunidade

Por fim, para Jacco vanderKooij, a nova geração deseja fazer parte de uma comunidade. “Ajudar alguém a ser bem-sucedido é levantar o outro de baixo para cima, e é assim que uma comunidade funciona”, diz. Em uma empresa, isso “cria um DNA imbatível”.

Como exemplo, ele falou do próprio RD Summit, uma comunidade de 12 mil pessoas reunidas pelo interesse em Marketing Digital: “não é porque temos luzes aqui, uma grande tela. O motivo do evento ser uma comunidade é por causa de vocês”, diz.

“A nova geração já não quer apenas dinheiro, ela quer ter um papel que impacte o mundo”, conclui.

Marcadores:

Fonte: Resultados Digitais

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.