O Lyft está lançando esta semana em algumas metrópoles dos EUA um novo programa intitulado “Ditch Your Car” que, como bem diz o nome, ajuda os usuários do aplicativo de corridas de táxi a se livrar de seus veículos.

Disponível por enquanto em Los Angeles, Chicago e São Francisco, o serviço oferece um conjunto de incentivos para que motoristas passem para frente ou descartem os carros, incluindo aí itens como 250 dólares em créditos no aplicativo e três meses de uma assinatura premium no Lyft.

“Para alcançar um futuro onde uma cidade é construída em torno de pessoas ao invés de carros, nós precisamos mudar fundamentalmente a forma como pensamos sobre a posse de carros e oferecer maneiras fáceis de diminuir este sentimento” explica a diretora sênior de transportes da companhia Lilly Shoup sobre o projeto, que já havia ganhando um primeiro projeto piloto em 2018.

O projeto soa como o desdobramento natural de um manifesto escrito pelo cofundador da plataforma Logan Green no Medium em 2015, onde a empresa declarava que queria que o público passasse a ver o transporte “como um serviço capacitado pela tecnologia ao invés de um pedaço gigante de hardware para se ter”. Além disso, uma pesquisa conduzida pela própria companhia no ano passado mostra que quase metade dos usuários do aplicativo reduziram a quantidade de tempo dirigindo depois de passar a usar o serviço, enquanto um quarto declarou passar considerar a posse de um veículo menos importante em suas vidas.

No caso específico de São Francisco, a ação da Lyft se junta a outras iniciativas recentes para combater o acúmulo de veículos na região, onde estudos curiosamente já comprovaram que serviços de táxi via aplicativo são responsáveis pela piora no trânsito. Além da plataforma, a Cruise vem planejando implementar um serviço de táxis autônomos para reduzir a quantidade de veículos, desestimulando o público a adquirir carros a partir do oferecimento de uma frota ágil e independente que dê conta de movê-los pela cidade.

Fonte: B9

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.