Uma das dores de cabeça mais famosas dos membros da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas são os famosos screeners, cópias físicas dos filmes que os estúdios distribuem todo ano para impulsionar a campanha para a temporada de premiações e mirando, claro, mais espaço nas categorias do Oscar. Parece uma iniciativa ótima (o povo da indústria tem que trabalhar pra pagar as contas e não é exatamente fácil acompanhar tudo que sai nos cinemas), mas na prática isso significa pilhas de DVDs e códigos online chegando no e-mail e pelo correio para os votantes da premiação em base semanal – e isso só piora agora, nesta reta final do ano quando todos estão interessados em ver seu projeto sair do Dolby Theater com uma estatueta.

É uma situação tensa que a Academia tenta solucionar desde sempre, mas a resolução real pelo visto pode acontecer só agora graças ao… streaming. Na tarde de ontem (31), a entidade enviou um comunicado a todos os seus membros anunciando uma nova e importante expansão da Academy Streaming Room, um aplicativo do Apple TV que foi criado justamente para facilitar o acesso dos votantes aos filmes, mas que até então era dedicado apenas às produções menores e com menos visibilidade no mercado. Desta semana em diante, porém, a situação muda, com a promessa de que o serviço irá oferecer mais e mais produções de todas as escalas para facilitar o trabalho de pesquisa e decisão do voto de cada membro.

“Nossa plataforma de streaming vai providenciar maior acesso aos filmes em consideração para nossa comunidade global crescente, enquanto nos permite dar passos importantes para um futuro mais amigável, ecologicamente sustentável e verde” escreve a Academia no comunicado, onde também confirma que o aplicativo contará com opções de 4K e estará disponível para os navegadores Safari e Chrome, além de declarar que “mais produções serão adicionadas nas próximas semanas” pelos distribuidores interessados. A mensagem também diz que votantes interessados em receber screeners ainda poderão deixar seu nome registrado no site da entidade.

De acordo com a Variety, com o e-mail disparado pela organização o app já foi atualizado com oito filmes do circuito, incluindo “Meu Nome É Dolemite”, da Netflix; “Depois do Casamento”, “Dor e Glória” e “Frankie”, cuja distribuição nos EUA pertence à Sony Classics; “The Mustang” e “Downton Abbey”, da Focus Features; “Judy” e “The Peanut Butter Falcon”, da Roadside Attractions.

A ideia já vinha circulando a mídia no mês passado, quando em entrevista à IndieWire o recém-eleito presidente David Rubin afirmou que o plano era possibilitar que a extensa comunidade de votantes tivesse maior acesso às produções internacionais qualificadas à disputa. “Existe um empenho para apoiar os esforços da Academia de se tornar uma organização internacional, e parte disso envolve conectar os cineastas de todo o globo com os diferentes públicos do mundo” disse na época o executivo; “Enquanto o cinema comercial e popular original pode ser essencialmente americano, o mundo do cinema é internacional”.

Ainda que cite motivos de sustentabilidade e acessibilidade como responsáveis pela expansão da Academy Streaming Room, especula-se que a organização também tomou esta decisão devido a questões de calendário. O próximo Oscar, vale lembrar, acontece mais cedo, movendo a data tradicional do fim de fevereiro e começo de março para o dia 9 de fevereiro de 2020, um adiantamento que se por um lado pode ajudar a cerimônia a melhorar seus índices de audiência faz a agenda habitual da temporada ficar ainda mais apertada – e isto já pode ser sentido no calendário de estreias brasileiro, onde os meses de novembro e dezembro estão tomados por uma sequência arrasadora de lançamentos grandes.

A parte mais importante da expansão da Academy Streaming Room, porém, é mesmo o impacto que ela pode ter na corrida, especialmente por – em teoria – permitir que os votantes tenham acesso a todos os filmes qualificados. Alinhado ao novo calendário, esta pode ser uma das medidas mais determinantes nas mudanças pedidas e desejadas pela entidade ao seu principal prêmio.

Fonte: B9

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.