O Social Club surgiu como uma cópia do Instagram que prometia jamais censurar o conteúdo de seus usuários e com uma plataforma focada em conteúdo relacionado à maconha. Porém, a proposta de livre expressão acabou saindo pela culatra e o app se tornou um antro de pornografia infantil e adulta, gore, venda de drogas, racismo e discurso de ódio. A Apple, então, resolveu tirá-lo de sua App Store.

O aplicativo foi lançado em julho de 2019 e chegou a 455 mil downloads no iOS e Android. A ideia inicial era oferecer um lar para postagens e conteúdos relacionados a maconha, incluindo propaganda de marcas, já que todo conteúdo relacionado a maconha é, teoricamente, proibido no Instagram.

O problema é que o Social Club parou de se apresentar como uma rede social pró-maconha e passou a reiterar que é um app totalmente livre de censura, o que atraiu todo tipo de usuário, incluindo os que utilizam redes sociais para práticas criminosas e compartilhamento de conteúdo ofensivo.

Desde que o Tumblr passou a proibir postagem de pornografia em sua plataforma, a rede social teve uma queda brusca de acessos. Por se tratar um app que também oferece espaço para fotos, vídeos e gifs, então, o Social Club acabou sendo o novo lar do compartilhamento de conteúdo pornográfico, que é um dos pontos criticados e que motivou a Apple a remover o aplicativo.

Ainda presente na Google Play Store, o Social Club parece estar com os dias contados, já que foi banido da loja de aplicativos do principal sistema operacional dos smartphones. O caminho parece ser o mesmo do Tumblr: mudar sua proposta e adequar seu conteúdo ou desaparecer.

Fonte: B9

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.