Projeto de Lei é analisado em comissão da Câmara dos Deputados. Parlamentares defendem a presença de ferramenta para escutar rádio FM em aparelhos celulares fabricados no Brasil

A Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços da Câmara dos Deputados aprovou proposta que prevê que os aparelhos celulares, fabricados ou montados no país, contenham a funcionalidade de recepção de sinais de rádio FM.

Os aparelhos terão de ter a funcionalidade habilitada antes de sua distribuição e comercialização no Brasil. Se a proposta for aprovada, a lei entrará em vigor 180 dias após a publicação.

O texto aprovado é substitutivo do relator, deputado Amaro Neto (Republicanos-ES), ao Projeto de Lei 8438/17, do deputado licenciado Sandro Alex (PSD-PR).

Leia mais:

Amaro Neto destaca que 97% dos aparelhos celulares produzidos no mundo já estão equipados com um receptor interno para o recebimento das transmissões de rádio FM desde a sua fabricação, mas “sem motivos técnicos que justifiquem, a funcionalidade é desabilitada em grande parte dos aparelhos”.

“Ao ter a funcionalidade de recepção de rádio FM desabilitada nos celulares, os usuários são obrigados a utilizar o serviço pago de dados (streaming) comercializado pelas empresas de telefonia, o que reduz significativamente o acesso da população às programações das emissoras de rádio”, explicou.

O deputado federal Amaro Neto. Ele é relator do projeto que defende apps de rádio FM em celulares. “O rádio é um meio de comunicação de extrema importância social”. (Imagem: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)

O projeto original prevê que o Poder Executivo regulamente o cronograma de implementação da funcionalidade de recepção de sinais de rádio FM no prazo de até 90 dias, mas esse artigo foi retirado no texto substitutivo.

Tramitação

A proposição será analisada em caráter conclusivo pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

***** ***** ***** ***** *****

Reportagem: Lara Haje
Edição: Marcia Becker

Fonte: Comunique-se

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.