A Subcomissão Permanente de Proteção e Defesa da Pessoa Idosa discutiu nesta quinta-feira (26) a gerontecnologia, área de conhecimento multidisciplinar que trata do desenvolvimento de estudos e pesquisas para contribuir para a longevidade e qualidade de vida da população idosa. Por meio de inovações tecnológicas, a gerontecnologia permite mais independência e autonomia para os idosos. A reunião foi uma iniciativa do senador Eduardo Gomes (MDB-TO).

Uma das convidadas para a audiência pública, Carla Santana, presidente da Sociedade Brasileira de Gerontecnologia, afirmou que o Brasil passa por uma mudança demográfica significativa, com crescente número de idosos, e com isso há demandas específicas para essa parcela da população.

— É um convite a gente pensar que o processo de envelhecimento é real, é concreto, e vai impactar todos os mercados. É importante pensar que o impacto é na indústria, no setor de hospedagem, indústria alimentícia, seguros, robótica, saúde. No exterior todos esses mercados já estão se adaptando ao envelhecimento humano e acho que, no Brasil, ele é um nicho importante para ser ampliado no âmbito das suas oportunidades de desenvolvimento de produtos, serviços e conhecimento de uma forma mais ampla — defendeu.

Já o secretário Nacional de Promoção e Defesa da Pessoa Idosa do Ministério da Mulher, Família e dos Direitos Humanos, Antonio Costa, destacou o Programa Viver, do governo federal, que tem por objetivo potencializar as habilidades necessárias da pessoa idosa para um envelhecimento ativo e saudável por meio de quatro campos de ação: tecnologia, educação, saúde e mobilidade física.

— A nossa secretaria faz a doação de uma rede de computadores e nós trabalhamos inicialmente em quatro eixos, que é o eixo da inclusão digital, a introdução ao celular, a introdução ao smartphone, aos aplicativos que são necessários para que esses idosos tenham oportunidade de serem inseridos no mundo digital — afirmou Costa.

Tecnologias assistivas

O senador Eduardo Gomes aproveitou a presença do representante do Ministério para pedir um roteiro dos programas do governo que tratem de tecnologias assistivas para que possam receber recursos de emendas parlamentares na proposta de Lei Orçamentária de 2020.

A audiência pública faz parte das atividades propostas pelo plano de trabalho da subcomissão, criada em maio deste ano para promoção e defesa dos direitos e da inclusão da pessoa idosa, além de fiscalizar e acompanhar programas governamentais.

Da Rádio Senado

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte: Senado Federal

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.