Apesar de reconhecer a Amazônia como maior bacia hidrográfica do planeta, com importantes reservas minerais e a maior biodiversidade mundial, o senador Marcos Rogério (DEM-RO) lamentou em Plenário, nesta segunda-feira (23), que a região ainda não se destaque como prioridade de um Plano Nacional de Desenvolvimento. Para o senador, a Amazônia é lembrada apenas quando a mídia nacional e internacional destaca índices de desmatamento.

Na avaliação de Marcos Rogério, é preciso criar novas instituições públicas de ensino que estejam conectadas com os reais problemas de quem vive na região e apresentem modelos de gestão inovadores. Ele sugeriu que os governos estaduais, com o apoio do governo federal, intensifiquem os investimentos em pesquisa, ciência e tecnologia para o desenvolvimento sustentável dos estados da região Amazônica.

— Com esse objetivo, estamos atuando junto ao Ministério da Educação para que seja possível criar a Universidade Federal Rural da Amazônia Ocidental, o que, certamente, será o embrião de toda uma mudança de compreensão da Região Amazônica. Confio que essa universidade irá proporcionar o incentivo adequado para fomentar educação, ciência e tecnologia com o olhar dedicado à Amazônia e permitindo que a pesquisa seja feita efetivamente por quem mora na região — afirmou.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte: Senado Federal

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.