Equipe da Storytel no Brasil: Mariana Rolier, Antonio Hermida, Fernando Schaer, Karina Pino, André Palme e Pedro Duarte

Em novembro passado, o PublishNews anunciou a abertura do escritório da Storytel no Brasil. De lá para cá, a plataforma sueca de audiolivros tratou de erguer um catálogo de conteúdos em áudio que pudesse ser oferecido aos consumidores brasileiros. O novo aplicativo já está no ar e deve ser oficialmente lançado nesta quarta-feira (11), em um evento em São Paulo. A notícia já foi assunto na imprensa sueca, que destacou a expansão na América Latina. Além do Brasil, a Storytel já está presente no México e na Colômbia.

A aposta é que o crescente mercado de entretenimento em plataformas de streaming no país (os números da Netflix, Spotify e afins não negam) alavanque as oportunidades da Storytel por aqui. Além disso, a Associação Brasileira de Podcasters registrou mais de dois mil programas de podcasts ativos no Brasil, o que representa crescimento de 330% em relação a 2018. “A oferta de audiolivros em streaming está enfrentando uma grande inovação no mercado brasileiro, onde os serviços de assinatura de filmes e de música estão ganhando terrenos. É um bom presságio para a nossa equipe brasileira”, comentou Robert Casten Carlberg ao Boktugg, veículo especializado na cobertura do mercado editorial na Suécia.

No catálogo, estão audiolivros como Mais esperto que o diabo, de Napoleon Hill; Os arquivos secretos do Vaticano, de Sérgio Pereira Couto; O homem de lata, de Sarah Winman; Assassinato no Expresso Oriente, de Agatha Christie; O papai é pop, de Marcos Piangers; Reinações de Narizinnho, de Monteiro Lobato e O Pequeno Príncipe, de Antoine de Saint Exupéry.

A plataforma oferece ainda um catálogo de podcasts de autores como Monja Coen, Fred Elboni e Madama Brona. Futuramente haverá conteúdos exclusivos de Clara Averbuck, Thalita Rebouças e Regina Navarro Lins, entre outros.

No mercado editorial, a Storytel inaugura o nicho Audio First, lançando em primeira mão e com exclusividade em áudio, conteúdos selecionados junto a players do mercado que se darão primeiro na plataforma.

Para o PublishNews, André Palme, country manager da Storytel no Brasil, falou da importância das editoras no processo de construção do catálogo: “É uma história linda podermos ter tido editoras e parceiros desde o início, pois são para nós os lugares onde existem os melhores conteúdos com as curadorias mais cuidadosas. Estamos felizes, honrados e orgulhosos de termos construído um catálogo a muitas mãos para o lançamento da Storytel no Brasil”.

Para ele, o áudio pode ajudar o consumidor brasileiro a encontrar essas narrativas. “Enxergamos este formato como uma expansão, como mais um lugar onde leitores e não leitores podem entrar em contato com seus autores favoritos e com grandes narrativas”, completou.

Para o consumidor, a Storytel oferece um plano único de assinatura. Por R$ 27,90, todo o acervo da plataforma está disponível.

Para marcar oficialmente sua entrada no país, a Storytel realiza, nesta quarta-feira (11) três ações durante o YouPix Summit, em São Paulo: uma meditação zazen com Monja Coen, que compõe o casting de podcasts da plataforma; um painel sobre as tendências de audioentretenimento no Brasil, com mediação de Phelipe Cruz – no qual participam criadores cujos conteúdos também farão parte da Storytel, são eles Fred Elboni, Madama Brona e Chico Felitti -, e um workshop sobre criação de conteúdo em áudio, ministrado por Mariana Rolier, gerente de publicações da Storytel Brasil, incentivando criadores de conteúdo a produzirem neste formato.
O YouPix Summit acontece na Unibes Cultural (Rua Oscar Freire, 2.500). Para conferir a programação, com os horários, clique aqui.

E não é só a Storytel que está de olho no Brasil. A World Audio, outra plataforma de audiolivros do país, está prospectando títulos em português do Brasil. Clique aqui para saber mais detalhes.

Fonte: Publish News

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.