Como que o meio se comporta ao noticiar situações de emergência? Tema é debatido em edição especial do quadro ‘O Rádio Faz História’, do programa ‘Todas as Vozes’

Além de ter se consagrado com o resgate das memórias mais marcantes do rádio no Brasil e no mundo, o quadro ‘O Rádio Faz História’, do programa ‘Todas as Vozes’ (MEC), se propõe a debater o futuro desse meio de comunicação tão essencial à vida humana.

Nesta postagem, especialistas discutem o papel do meio nas situações de emergência em geral. O âncora Marcus Aurélio conversou com Luciano Klöckner, professor, pesquisador de Rádio no Rio Grande do Sul. Ele é ex-professor da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS) e ex-coordenador de jornalismo da Rádio Gaúcha, de Porto Alegre. Também foi entrevistado João Batista de Abreu, professor, pesquisador, doutor em comunicação social e ex-professor da Faculdade de Comunicação da Universidade Federal Fluminense (UFF).

Ouça a análise:


“O radialista e jornalista que interrompem a programação [em situação de emergência] estão prestando um serviço, mas dentro de uma obrigação que a gente tem que ter como profissional”, afirmou João

Leia também:

***** ***** ***** ***** *****

O programa ‘Todas as Vozes’ vai ao ar de segunda a sexta-feira, das 7h às 9h, na MEC AM.

Fonte: Comunique-se

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.