A oposição aposta nos destaques para tentar reverter o placar amplamente favorável ao texto-base da reforma da Previdência (PEC 6/19). Na votação de ontem, foram 379 favoráveis e 131 contrários. O dia de hoje foi de intensas negociações sobre possíveis alterações na proposta: pensões, cálculo do benefícios, professores, policiais e mulheres são temas das votações que se iniciam.

> Com 379 votos favoráveis, Câmara aprova texto-base da reforma da Previdência

“O Plenário tem o dever de proteger os professores”, disse o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), ao defender a retirada de pauta da proposta.

Já o deputado Alencar Santana Braga (PT-SP) disse que o Plenário tem a oportunidade de reverter o que considerou danos do texto. “Se fizeram a maldade ontem [ao aprovar a reforma], beneficiem professores e mulheres, para amenizar o impacto e restabelecer o mínimo de justiça”, disse.

> Veja os principais pontos do texto-base aprovado

Relator da proposta, o deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), pediu que os deputados “continuem trabalhando juntos em maioria”. “Há destaques que podem destruir a votação de ontem, destruir a estrutura da reforma que cada um daqui produziu. Precisamos ficar atentos”, declarou.

Moreira afirmou que a reforma tem “ganhos sociais e fiscais” e que é importante dar sequência à votação. “A reforma não resolve tudo, claro que não. É o alicerce para que o governo tome outras medidas”, disse.

> Entenda a tramitação da reforma da Previdência

Mais informações a seguir

Fonte: Câmara dos Deputados

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.