O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministro Dias Toffoli, visitou nesta terça-feira (18) o CyberSpark CERT, em Beersheva (Israel), a 108 quilômetros de Tel Aviv. A unidade é uma das mais importantes da estrutura do Estado israelense dedicada à segurança cibernética. Pela manhã, ainda em Tel Aviv, o ministro Dias Toffoli também se reuniu, na embaixada do Brasil, com o diretor do Israel National Cyber Directorate, Amit Ashkenazi, responsável pela elaboração do marco legal sobre a questão no país.

Os encontros fecharam os dois primeiros dias da visita oficial a Israel, a convite do governo israelense, concentrados nas questões tecnológicas aplicadas à Justiça e à cidadania. Na segunda-feira (17), o presidente do STF visitou empresa que desenvolve soluções inovadoras nas áreas de defesa, inteligência artificial e segurança cibernética, na região de Haifa (a 100 quilômetros de Tel Aviv).

“Israel é um país altamente desenvolvido em áreas como a segurança de bancos de dados, fundamental, por exemplo, para o esforço da informatização dos processos judiciais, já muito avançada no Brasil. A qualidade em matéria de inovação do que estamos vendo aqui e o marco normativo em elaboração oferecem muitas respostas para os desafios na defesa do Estado e do cidadão enfrentados no mundo de hoje. O Brasil tem um amplo espaço de cooperação a desenvolver com Israel nessas questões”, afirmou o ministro Dias Toffoli.

A convite da Confederação Israelita do Brasil (Conib), o presidente do Supremo participou ainda de palestras com os juízes aposentados da Suprema Corte israelense Salim Jubran, primeiro cidadão de origem árabe a ocupar o cargo, e Aharon Barak, professor do Interdisciplinary Center de Herzliya.

A agenda oficial inclui visita a uma unidade prisional no norte do país, na quarta-feira (19), e encontro com a presidente da Corte Suprema israelense, Esther Hayut, na quinta-feira (20), em Jerusalém.

Fonte: STF

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.