Que tal dar uma olhadinha em todos os anúncios ativos do seu concorrente no Facebook reunidos em um só lugar? Achou interessante? Ou preocupante, já que a sua estratégia também ficará “exposta”? Pois saiba que já é possível fazer isso desde junho de 2018.

Àquela época, as páginas do Facebook passaram a ter uma seção chamada “Informações e anúncios”, acessível tanto em desktop quanto em mobile. A medida era mais uma resposta à crise causada pelo caso Cambridge Analytica, dando mais transparência a anúncios políticos, apontados como decisivos para a eleição de Donald Trump nos Estados Unidos.

Mas o que você tem a ver com o Trump?

A justificativa do Facebook era que, apesar da grande maioria das empresas usar a plataforma honestamente, “pessoas mal intencionadas também podem abusar de nossos produtos”. Então, foi meio que um tiro de canhão para acertar uma mosca, mas uma mosca que incomoda muito o Mark Zuckerberg.

Mostrando que não era uma ação da boca para fora, em março de 2019 o Facebook deu um passo adiante na iniciativa: criou a Biblioteca de Anúncios. Continue lendo o post para saber como funciona agora!

Biblioteca de Anúncios do Facebook

A Biblioteca de Anúncios do Facebook está disponível abertamente para qualquer pessoa, tenha conta na rede social ou não. Ela centraliza todos os anunciantes e suas peças em um só lugar. Se a curiosidade está forte, é só clicar neste link e começar a pesquisar. Se você está com preguiça, fizemos um GIF para você ver como funciona:

Bem simples, né? É uma evolução do Ad Archive, que havia nos Estados Unidos, justamente nas eleições – o nome em inglês da atual ferramenta, aliás, é Ad Library. Boa parte do foco continua sendo em anúncios políticos, mas, como dito anteriormente, todos os tipos de anunciantes podem ser visualizados na Biblioteca de Anúncios do Facebook.

Além das peças, há muitas outras informações disponíveis. É possível saber quando a página foi criada, se ela já outro nome ou se foi mesclada a alguma outra. O usuário pode ver, também, de que países são os gestores da página. Para junho, há a promessa de ainda mais transparência em anúncios políticos, de olho nas eleições europeias.

Ferramenta acessível no Instagram

A Biblioteca de Anúncios do Facebook permite ver os anúncios ativos no Instagram – caso você ainda não sabe, o Insta pertence ao Face. No entanto, você pode acessar essas informações diretamente no aplicativo de fotos e vídeos.

Vá até o perfil que você tem interesse em ver os anúncios, clique na parte de mais informações e aperte “Sobre esta conta” > “Anúncios ativos”. Chegando lá, você vai poder visualizá-los separadamente em Feed e Stories.

Quanto políticos (estrangeiros) gastam

Outra funcionalidade interessante da Biblioteca de Anúncios é a de reports. Com ela, é possível ver os gastos de páginas ligadas à política e outros temas de interesse público. Por enquanto, apenas dados dos Estados Unidos, Índia, Israel e países europeus estão disponíveis.

Se você tiver curiosidade, é só clicar aqui para dar uma olhada.

O que dá para ver nos anúncios do Facebook (e o que não dá)

O fato é que a exibição dos anúncios já é uma realidade, então todo mundo pode ver o que a concorrência está fazendo. É possível, inclusive, clicar em uma publicação patrocinada e fazer o mesmo caminho que o Lead percorrerá ao ser impactado por ela em sua timeline por ela.

A estratégia, porém, não fica tão escancarada assim. Não dá, por exemplo, para ver as segmentações e o período em que o anúncio ficará no ar. No fim das contas, o que fica exposto são os copies e os tipos de conteúdo que são patrocinados.

Bom, agora que todos os usuários do Facebook podem dar uma espiada na sua estratégia de ads, vale a pena dar uma caprichada maior, não é mesmo?

Baixe o nosso eBook Facebook Ads: O Guia Completo para gerar resultados melhores!

Post publicado em julho de 2018 e atualizado em maio de 2019.

Marcadores:

Fonte: Resultados Digitais

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.