A presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Rosa Weber, fez uma avaliação positiva do Seminário Internacional Fake News e Eleições, encerrado na noite desta sexta-feira (17). O evento, realizado pelo TSE com apoio da União Europeia, reuniu autoridades brasileiras e estrangeiras na sede da Corte Eleitoral, em Brasília, para debater por dois dias o fenômeno da proliferação de notícias falsas em processos eleitorais.

Rosa Weber avaliou que o seminário significa o fechamento do ciclo das Eleições de 2018. “Refletimos sobre toda a nossa experiência e todas as providências que pudemos adotar, muitas vezes de improviso, conforme mostraram as circunstâncias”.

Para a magistrada, a questão da neutralização da propagação de conteúdo falso, descontextualizado ou calunioso nas Eleições Municipais de 2020 depende da qualidade das discussões que servirão de preparação para as medidas a serem tomadas a partir de agora. “Temos que abrir espaços para o debate interdisciplinar, para conhecer os diferentes enfoques e as diferentes leituras sobre o tema”, concluiu.

A programação do evento foi encerrada com a fala do delegado da Polícia Federal e assessor especial da Presidência do TSE, Rogério Galloro. “O equacionamento do fenômeno conhecido como fake news é bastante complexo em todos os ramos da sociedade, tanto no Brasil como no exterior. O seminário objetivou, assim, buscar formas de impedir e/ou minimizar a divulgação de notícias falsas nas Eleições Municipais de 2020”, resumiu.

Galloro explicou que o encontro foi uma oportunidade para que se compartilhassem as experiências adquiridas no decorrer do último pleito geral, com o intuito de compilar dados, compartilhar vivências nacionais e internacionais, acolher sugestões e enriquecer o conhecimento geral sobre possíveis medidas de enfrentamento da desinformação.

Segundo ele, as discussões dos painéis do seminário e os estudos apresentados servirão de subsídio para propostas e medidas a serem tomadas pela Justiça Eleitoral a fim de garantir a tranquilidade do processo eleitoral do ano que vem. “Consideraremos o presente seminário como estudo a ser somado a outras pesquisas e informações sobre regras eleitorais e a influência da Internet nas eleições desenvolvidas no Brasil e no exterior”, declarou.

A desinformação, de acordo com Rogério Galloro, é um problema que transcende a simples disseminação de informações falsas. Para o assessor especial, o fomento do uso responsável das mídias eletrônicas e a alfabetização midiática são instrumentos importantes nesse trabalho.

Mais informações no hotsite do evento.

RG/LC, DM

Fonte: TSE

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.