Quase um ano e meio depois de ter anunciado a compra da 21st Century Fox, a Disney enfim está conseguindo adquirir o serviço de streaming Hulu. Na manhã desta terça-feira (14), a empresa anunciou junto da Comcast que chegou a um acordo sobre a compra das ações do conglomerado sobre a plataforma, um negócio que lhe garantirá o controle de toda a operação do streaming.

Enquanto a Disney já terá controle total do streaming a partir de hoje, a compra em si deve demorar um pouco para ser realizada. Segundo as duas empresas, o acordo firmado é da natureza do “put/call” e acontecerá até janeiro de 2024, quando a Disney poderá cobrar da Comcast a venda de suas ações da mesma forma que a Comcast poderá cobrar da Disney a compra. O conglomerado do Mickey Mouse inclusive já tem um pagamento mínimo a ser feito pela parte do negócio: o montante mínimo a ser transferido em valor de ações é de 27,5 bilhões de dólares.

As negociações já acontecem desde o fim de abril entre as duas partes, quando a Comcast aparentemente decidiu que seria uma boa ideia firmar um acordo de venda de suas ações sobre o Hulu para ajudar em outros investimentos que ela vem fazendo na área – o que inclui não apenas o serviço de streaming que o conglomerado pretende lançar em 2020, mas também o pagamento da compra da Sky. Da parte da Disney, sempre houve interesse pela parte da Comcast, dado que esta era a última grande investidora do serviço – com 33% da empresa – depois da AT&T ter pulado fora do barco no começo deste ano.

O acordo em si parece favorecer bastante o planejamento das duas empresas. Enquanto a Comcast garante que não estará perdendo um investimento em uma crescente de valorização (um fator que vinha impedindo-a de negociar a venda das ações), a Disney ganha cinco anos para reunir o dinheiro necessário sem precisar esperar para decidir o que fazer com o Hulu, que até o momento vem sendo tomado como grande ponto de interrogação no seu planejamento futuro.

Em questões de conteúdo, o acordo prevê que a Comcast continuará a licenciar suas produções até o começo de 2024, mas já a partir do ano que vem a empresa tem o direito de retirar da programação do streaming aquilo que havia licenciado com exclusividade ao Hulu. A partir de 2022, enquanto isso, a empresa terá o direito de cancelar a maioria de seus acordos com a plataforma, retirando aquilo que achar conveniente do serviço.

Fonte: B9

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.