Jornal mensal da Biblioteca Pública do Paraná aproveitou o aniversário de 70 anos da obra 1984 e convidou Ignácio de Loyola Brandão para escrever sobre o romance

O clássico 1984, do escritor inglês George Orwell (1903-1950), completa 70 anos em 2019. Aproveitando a efeméride, o Cândido de maio convidou Ignácio de Loyola Brandão para escrever sobre o romance. Em texto com a verve que marca seus melhores momentos na ficção, o autor de Zero e recém-eleito imortal da Academia Brasileira de Letras (ABL) relaciona alguns dos temas mais urgentes levantados em 1984 (repressão, manipulação de informação, vigilância do Estado) com o momento vivido no Brasil e no mundo, onde em muitos sentidos a ficção de Orwell se torna cada vez mais real. A trajetória pessoal do autor de A revolução dos bichos também ganha espaço. Um perfil biográfico mostra como Orwell, que morreu de tuberculose aos 46 anos e cujo nome real era Eric Arthur Blair, teve uma existência meteórica e intensa: foi funcionário da Polícia Imperial Indiana, lavador de pratos em Paris, jornalista da BBC e soldado voluntário na Guerra Civil Espanhola (1936-1939) — onde levou um tiro na garganta. Ainda no jornal, o fotógrafo Eduardo Macarios apresenta imagens da mostra Por dentro da Biblioteca, com fotos da Biblioteca Pública do Paraná que exploram o projeto arquitetônico do interior do prédio e evidenciam o contraste entre o antigo e o moderno na instituição, que em março completou 162 anos.

Fonte: Publish News

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.