Faturamento bruto da varejista que está em recuperação judicial caiu 68,6% por conta do fechamento de lojas e descontinuidade de categorias de telefonia e informática

Saraiva do Shopping Higienópolis, em SP, foi uma das fechadas em março | © Leonardo Neto

Desde o seu pedido de recuperação judicial, a Saraiva encerrou as atividades de 25 lojas e descontinuou a sua operação de informática e telefonia. Esses dois movimentos levaram a companhia a uma queda do seu faturamento no mês de março. No geral, a diminuição da receita bruta foi de 68,6%, sendo que as lojas físicas perderam 63% e o e-commerce registrou queda de 79% quando comparado com igual período de 2018. Em números absolutos, a varejista vendeu R$ 65,8 milhões em março passado ante os R$ 203,5 milhões apurados em 2018. Com o fechamento de lojas e outros ajustes, as despesas operacionais atingiram R$ 48,4 milhões, queda de 24% na mesma base de comparação. O EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) consolidado de março de 2019 foi negativo em R$ 7,2 milhões, contra R$ 3,8 milhões positivos em março de 2018. No período, a varejista apurou prejuízo líquido de R$ 19,9 milhões. No mês passado, a Saraiva encerrou as atividades de três lojas (Copacabana / RJ, Rua São Bento / SP e Higienópolis / SP) e demitiu 77 funcionários. Esses dados estão no relatório mensal publicado pelo administrador judicial.

Fonte: Publish News

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.