Portaria foi publicada hoje (02) no Diário Oficial da União. Documento serve como ferramenta de planejamento de gestão portuária e para orientação das atividades da Administração do Porto

O Ministério da Infraestrutura publicou, nesta quinta-feira (2), no Diário Oficial da União, a Portaria nº 1.515, que aprova o Plano de Desenvolvimento e Zoneamento (PDZ) do Porto Organizado de Santana, no Amapá. Com a aprovação, haverá maior clareza quanto às tendências de demandas futuras, tráfego marítimo e outros aspectos importantes para o planejamento do Porto de Santana.

O projeto portuário foi desenvolvido por meio da parceria entre a Fundação de Ensino de Engenharia de Santa Catarina (FEESC) e da Companhia Docas de Santana (CDSA) com o objetivo de definir o uso apropriado das áreas portuárias. Além disso, o trabalho permite delinear o zoneamento futuro e o plano de ações do Porto, de modo a antecipar ações dentro dos cenários nacional e internacional.

Para o coordenador-geral da Secretaria Nacional de Portos e Transportes Aquaviários do Ministério da Infraestrutura, Luciano Bissi, o PDZ é um dos mais importantes instrumentos de planejamento do porto, pois estabelece os objetivos que as autoridades portuárias pretendem atingir em um horizonte temporal de vinte anos. “O objetivo do trabalho é orientar as atividades do Porto, permitindo que diversos agentes de toda comunidade portuária façam seus planejamentos com o foco na exploração econômica das áreas e instalações portuárias”, explicou Bissi.

Entre outros benefícios do Plano, estão a promoção e a modernização do Porto, a integração com os demais modais de transporte, recomendações de alternativas para o uso de áreas portuárias operacionais destinadas à expansão das atividades, entre outras ações.

Para ter acesso ao PDZ do Porto de Santana, clique aqui.

02052019 Porto de Santana AP

 

Foto: Brasil Caminhoneiro

Assessoria Especial de Comunicação

Ministério da Infraestrutura

Fonte: Governo Federal

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.