Depois de tirar do ar uma campanha do Banco do Brasil com foco no público jovem e na diversidade, a Secretaria de Comunicação Social (Secom) informou através de um comunicado que, a partir de agora, todas as campanhas publicitárias de estatais deverão ser submetidas à avaliação da Secom, comandada pelo ministro da Secretaria de Governo, general Santos Cruz.

Com isso, todas as peças de empresas estatais, como Correios e Petrobrás, criadas pelas agências de publicidade contratadas pelo Governo Federal passarão pelo crivo do mesmo antes de irem ao ar, podendo ser aprovadas ou não.

Até então, apenas comerciais institucionais, que tratam da imagem da marca, passavam pela avaliação do Palácio do Planalto, e não ações mercadológicas, caso da peça do BB vetada e que têm a finalidade de ampliar a participação da estatal em seu setor.

Em nota oficial, o Banco do Brasil explicou que sua propaganda foi retirada do ar por “faltar alguns perfis de jovens brasileiros” que também seriam alvo do banco. A peça custou R$ 17 milhões e foi criada pela WMcCann, uma das três agências responsáveis pela publicidade banco.

Fonte: B9

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.