Decisão foi do presidente do STF, Dias Toffoli. Ex-presidente Lula estava proibido de conceder entrevistas desde o período eleitoral de 2018. Condenado a mais de 12 anos de prisão, ele cumpre pena em Curitiba

Presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli decidiu na última quinta-feira, 18, arquivar sua decisão que impediu o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de conceder entrevistas à imprensa. Desde 7 de abril do ano passado, o político está preso na carceragem da Polícia Federal (PF) em Curitiba para cumprir pena inicial de 12 anos e um mês de prisão, imposta pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4). Ele foi condenado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá (SP).

Com a medida, o ex-presidente poderá conceder uma entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, que teve pedido rejeitado pela Justiça Federal em Curitiba. Após a decisão, Toffoli enviou o caso para Lewandowski, que deverá determinar a autorização para a entrevista. “Determino o retorno dos autos ao gabinete do relator para as providências cabíveis, uma vez que não há impedimento no cumprimento da decisão proferida pelo eminente relator nesta ação e naquelas apensadas”, decidiu o presidente do STF.

No ano passado, durante as eleições, Toffoli suspendeu uma decisão do ministro Ricardo Lewandowski que liberava a entrevista. Na última quinta-feira, ao analisar a questão novamente, o ministro informou que o processo principal do caso, relatado por Lewandowski chegou ao fim e a liminar de Toffoli perdeu o efeito.

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, durante o lançamento da 16ª edição do prêmio Innovare. Ministro derrubou proibição de entrevistas com Lula. Ex-presidente está liberado para conversar com a Folha de S. Paulo (Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Entrevistas negadas

Antes de o caso chegar ao STF, a juíza federal Carolina Lebbos, da 12ª Vara Federal de Curitiba, negou o pedido de autorização solicitado por órgãos de imprensa para que o ex-presidente Lula conceda entrevistas. Ao decidir o caso, a magistrada entendeu que a legislação não prevê o direito absoluto de um preso à concessão de entrevistas. “O preso se submete a regime jurídico próprio, não sendo possível, por motivos inerentes ao encarceramento, assegurar-lhe direitos na amplitude daqueles exercidos pelo cidadão em pleno gozo de sua liberdade”, entendeu a juíza.

Leia mais:

***** ***** ***** ***** *****

Reportagem: André Richter
Edição: Fábio Massalli

Fonte: Comunique-se

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.