Romance de Sylvia Plath é carregado de referências autobiográficas e foi lançado originalmente semanas antes da sua morte em 1963

A redoma de vidro (Biblioteca Azul / Globo Livros, 280 pp, R$ 49,90 – Trad.: Chico Ma­oso) foi originalmente lançado semanas antes da morte da autora, Sylvia Plath (1932 – 1963). A narrativa é inspirada nos acontecimentos do verão de 1952, quando Sylvia tentou o suicídio e, em decorrência disso, foi internada em uma clínica psiquiátrica. Na trama, Esther Greenwood é uma jovem que sai do subúrbio de Boston para trabalhar em uma prestigiosa revista de moda em Nova York. Assim como a protagonista, a autora foi uma estudante com um histórico exemplar que sofreu uma grave depressão. Muitas questões de Esther retratam as preocupações de uma geração pré-revolução sexual, em que as mulheres ainda precisavam escolher se priorizavam a profissão ou a família. Publicado originalmente em 1963, esta edição de A redoma de vidro traz nova capa e desenhos da autora e mais que um relato sobre problemas mentais, a obra é uma narrativa singular acerca das dores do amadurecimento.

Fonte: Publish News

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.