A Comissão de Assuntos Sociais (CAS) realizará audiência pública na quarta-feira (3) sobre denúncias de uso de doping nos treinamentos e competições de fisiculturismo no Brasil. A reunião, que foi requisitada pelo senador Romário (Pode-RJ), terá início às 10h, no Plenário 9 do anexo II do Senado.

A utilização de substâncias como hormônios e anabolizantes é proibida pela Wada (Agência Mundial Antidoping) e por entidades internacionais que adotam regras rígidas para combater essa prática. No entanto, fisiculturistas profissionais admitem utilizar hormônios com acompanhamento médico para melhorar seu desempenho nas competições e nos treinos.

Segundo Romário, é necessário realizar um debate qualificado sobre esse tema devido à sua complexidade, já que envolve tanto as áreas da saúde e do esporte, representando riscos à saúde dos atletas e abrindo a possibilidade de fraudes em competições.

“Apesar de o uso do doping nas competições de alto rendimento de todas as modalidades, e do fisiculturismo, em particular, se tratar de um tema vinculado mais à saúde que ao esporte, não se pode desconhecer que a abrangência dessa prática acarreta prejuízos sociais para a comunidade desportiva, sua imagem e o desvirtuamento dos nobres objetivos do chamado ‘jogo limpo’”, explicou Romário no requerimento. Ele também argumenta que o Brasil é signatário do Código Mundial Antidopagem.

Para tratar do tema foram convidados Maurício de Arruda Campos, presidente da Confederação Brasileira de Musculação, Fisiculturismo e Fitness; Tatiana Mesquita, presidente do Tribunal Antidopagem do Ministério do Esporte; Alexandre Bortolato, representante no Brasil na Federação Internacional de Fisiculturismo, entre outros especialistas e atletas de fisiculturismo.

A audiência terá tradução para a Língua Brasileira de Sinais (Libras) e será realizada em caráter interativo, através do portal e-Cidadania e do Alô Senado.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte: Senado Federal

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.