O Tribunal Distrital de Tóquio (japão) rejeitou hoje (11) o pedido do executivo franco-brasileiro Carlos Ghosn, ex-presidente da Nissan Motor, para participar amanhã (12) da reunião da diretoria da Nissan.

No último dia 6, o empresário foi libertado, após 107 dias preso, e sob fiança.

Para o tribunal, a presença de Ghosn poderia gerar pressão sobre outros integrantes do comando da empresa. Ele foi afastaddo da presidência da montadora após sua prisão em novembro. Mas se mantém integrante do conselho.

O empresário Carlos Ghosn entra na Justiça com pedido para participar de reunião do Conselho da Nissan – REUTERS/Issei Kato/File Photo/Direitos Reservados

Ghosn foi indiciado por violação agravada de confiança e subnotificação de sua compensação. Ele nega as alegações.

O advogado do empresário, Junichiro Hironaka, disse que seu cliente quer cumprir suas obrigações como membro do conselho participando da reunião.

*Com informações da NHK, emissora pública de televisão do Japão.

 

Edição: Renata Giraldi

Fonte: EBC

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.