Em sessão solene na Câmara, ministro da Saúde defende orçamento para doenças raras

Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Sessão solene pelo Dia Mundial das Doenças Raras

O ministro da saúde, Luiz Henrique Mandetta, sugeriu aos deputados que separem um orçamento específico para doenças raras no Ministério da Saúde, para que a pasta possa atuar com maior efetividade. “Com essa via de termos o recurso carimbado e definido em Orçamento da União aprovado nesta Casa, tenho certeza de que poderemos fazer frente não só a essa fronteira do atendimento, mas principalmente à fronteira da ciência, para darmos as respostas que a sociedade precisa”, disse.

Mandetta participou de sessão solene na Câmara em homenagem ao Dia Mundial das Doenças Raras, que é celebrado em mais de 70 países no dia 29 de fevereiro (nos anos bissextos, e nos demais, no dia 28).

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), uma doença é definida como rara quando atinge até 65 indivíduos a cada 100 mil pessoas. De acordo com a Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa, no Brasil são cerca de 13 milhões de pessoas afetadas por alguma doença rara.

A primeira-dama, Michele Bolsonaro, que também participou da sessão solene, defendeu mais atenção para o assunto. “As doenças e as síndromes raras afetam um pequeno percentual da população. Todavia, o seu menor percentual de incidência não pode ser justificativa para que esses pacientes deixem de receber a atenção necessária das políticas públicas, da indústria farmacêutica, dos pesquisadores, dos profissionais de saúde e da sociedade como um todo”.

Frente Parlamentar
Foi reinstalada nesta quarta-feira na Câmara a Frente Parlamentar de Doenças Raras, para discutir ações e políticas públicas voltadas às pessoas afetadas por essas enfermidades.

O coordenador da frente, deputado Diego Garcia (Pode-PR), explica a importância da iniciativa. “A frente parlamentar passa a ter um papel fundamental e decisivo para o avanço das políticas nacionais de enfrentamento às doenças raras no nosso País, para que famílias sejam assistidas diante das suas necessidades”.

Em discurso lido em plenário, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, falou da importância “de olhar para cada indivíduo e conhecer suas necessidades específicas, pois quando se trata de um direito universal ninguém pode ser excluído”.

Novas leis
Patrick Dorneles tem 21 anos e é portador de mucopolissacaridose, uma doença rara degenerativa. Ele se disse feliz por ter encontrado a Câmara de portas abertas para pacientes como ele.

Ouça esta matéria na Rádio Câmara

“Saber que não apenas no dia mundial das doenças raras nossa causa está sendo discutida, mas no dia a dia, em projetos de lei, em votações, o tema está sendo discutido com os pacientes. E a gente tem que continuar lutando para que essas leis sejam sempre em benefício da vida”, declarou.

Há ainda muita dificuldade no diagnóstico, no tratamento e no acompanhamento das pessoas com doenças raras e suas famílias. A Câmara dos Deputados está com sua cúpula iluminada de lilás e azul, e a cúpula do Senado está iluminada de rosa e verde, em homenagem à data.

Fonte: Câmara dos Deputados

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.