Kaio Cézar pediu demissão durante encerramento de edição da versão cearense do ‘Globo Esporte’. “Não abro mão do respeito”, disse o apresentador que tinha 10 anos de parceria com afiliada da Rede Globo. Enquanto empresa se posiciona, entidades jornalísticas defendem o comunicador

Assédio moral. É disso que o jornalista Kaio Cézar sinaliza de que foi vítima dentro do Sistema Verdes Mares, empresa de comunicação que entre outros veículos é responsável pela afiliada da Rede Globo no Ceará. Apresentador e narrador esportivo reconhecido em todo o estado, o profissional ganhou destaque nacional no último fim de semana. No sábado, 16, ele pediu demissão ao encerrar a edição da vez do ‘Globo Esporte’. Fora do ar, acusou um executivo e se viu como alvo de nota oficial do grupo de mídia. Por outro lado, o jornalista recebeu apoio de entidades da área.

O Sindicato dos Jornalistas do Ceará (Sindjorce) fez questão de registrar: presta solidariedade a Kaio Cezar. A entidade relacionou o pedido de demissão ao vivo com a integração ocorrida recentemente no conglomerado de comunicação. Além da TV Verdes Mares, afiliada à Globo, outros três veículos estão sob manutenção do grupo: G1 CE, TV Diário e Rádio Verdes Mares (Verdinha). Ao reclamar do “caso clássico de assédio moral” denunciado pelo comunicador, a entidade fala em precarização do trabalho. “[Há] uma série de irregularidades trabalhistas, como jornada de trabalho extenuante, acúmulo de tarefas, desvio de funções e assédios”.

De acordo com o Sindjorce, funcionários do Sistema Verdes Mares alegaram o extenuante trabalho exercido pelo apresentador. “Segundo relato de colegas, Kaio acumulava funções, como produzir, editar e ancorar quadros e programas. O profissional, inclusive, foi um dos demitidos da rádio Verdes Mares AM, no último passaralho registrado. Ou seja, Kaio Cézar passou a ter um único salário, enquanto continuava a trabalhar para a rádio, mesmo sendo remunerado somente pela TV’. O profissional que se desligou da empresa de forma pública era contratado da rádio do grupo como narrador. Depois da demissão, passou a conviver com “cachês” para cada trabalho desenvolvido.

Mais apoio

Em nota assinada em tom pessoal por seu presidente, Alano Maia, a Associação Profissional dos Cronistas Desportivos do Estado do Ceará (APCDEC) também demonstrou apoio ao jornalista. O dirigente da instituição, contudo, diz que só cabe ao profissional falar das causas que o levaram a pedir demissão em pleno programa ao vivo. “Quero me solidarizar com este competente narrador esportivo e colocar a associação ao seu inteiro dispor”, reforçou o representante da entidade. Além de ter sido durante anos locutor da Rádio Verdes Mares e apresentador eventual do ‘Globo Esporte’ cearense, o cronista esportivo Kaio Cézar atuava como produtor da atração televisiva.

O Sindicato dos Radialistas e Publicitários do Ceará (Sindradioce) foi outra a entidade a defender a conduta do profissional. “É lastimável que um comunicador com tamanha experiência e com bom caráter que possui tenha tido que tomar essa decisão, que apenas ele  poderá relatar os motivos que o levaram a tomar tal atitude. Assim, o Sindradioce se coloca a inteira disposição para ajudar o comunicador no que for necessário, inclusive com assessoria jurídica, à disposição do profissional”, informa a nota assinada por José Edilson Alves, presidente da instituição.

Saída da Verdes Mares

O apoio, inclusive jurídico, indicado pelas três entidades da classe de comunicação pode ser de grande utilidade para Kaio Cézar. Isso porque o comunicador sinalizou, ao pedir demissão ao vivo na TV, que vinha sofrendo com atos de desrespeito dentro do Sistema Verdes Mares. “‘Globo Esporte’ ficando por aqui. Quero dizer que eu também fico. Porque neste momento estou pedindo demissão do Sistema Verdes Mares. Não abro mão do respeito, nem da dignidade para estar em lugar nenhum”, desabafou o apresentador – que também era repórter e locutor esportivo do grupo. Em meio à repercussão do caso, recorreu ao Facebook para criticar o diretor Paulo César Norões.

“Quanto ao hoje diretor Paulo César Norões, eu preciso não me calar e encarar qualquer consequência e até retaliação. Me apunhalou por muito tempo”, publicou o jornalista. “Arrogante, ele nunca soube lidar com quem pensa diferente, principalmente os que julga inferiores. E eu, por ter raízes, convicções – políticas e esportivas – e personalidade extremamente opostas nunca fui respeitosamente aceito por ele”, prosseguiu o apresentador, que afirma ter ouvido do executivo de que deveria ir “tomar no cu” — ato que teria ocorrido em meio à redação da empresa de mídia cearense.

Reportagem assinada por Paulo Pacheco no UOL informa que nos últimos dias Paulo César Norões se limitou a tornar a sua conta no Instagram privada, além de postar mensagem que pode ser interpretada como indireta ao jornalista que pediu demissão. “Se algum dia vocês forem surpreendidos pela injustiça ou pela ingratidão, não deixem de crer na vida, de engrandecê-la pela decência, de construí-la pelo trabalho!”, divulgou o executivo, que segue contratado do Sistema Verdes Mares até o fim da manhã desta terça-feira, 19.

Leia mais:

Fonte: Comunique-se

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.