Numa decisão surpreendente, o Reino Unido deve anunciar a permissão do uso de aparelhos celulares da Huawei pela população britânica. A informação foi divulgada em um relatório publicado pelo Financial Times e lançada pelo Centro Nacional de Segurança Cibernética da nação, que recomendará ao governo a mitigação de quaisquer riscos oferecidos pelos produtos da fabricante chinesa.

A permissão emitida pela entidade abre brecha para uma expansão importante da marca chinesa, que ainda vê seus produtos incapacitados de serem utilizados na rede de países de língua inglesa conhecida como “Five Eyes” – que além do Reino Unido inclui o Canadá, a Austrália, a Nova Zelândia e os Estados Unidos.

Este impedimento se dá em grande parte à administração estadunidense, que nos últimos anos vem empreendendo grande esforço para manter a empresa fora destes e outros mercados importantes. O país acusa a Huawei de fazer espionagem para o governo chinês por meio de seus produtos, um delito que a marca nega veementemente apesar das ligações bastante profundas que ela e outras companhias tecnológicas nacionais possuem com a China.

Mas enquanto Austrália e Nova Zelândia se uniram aos EUA, o Reino Unido parece ter mudado de postura por conta do Brexit, cujo caos pode ter deixado o corpo político do país temeroso de um cenário onde a nação fique para trás no campo tecnológico, graças à perda de inúmeros parceiros de negócios. No Twitter, o presidente da empresa de telecomunicações norte-americana Rivada Networks Declan Ganley comentou que todo o período turbulento ocasionado com a saída da nação da União Europeia levou o RU a uma posição bastante vulnerável no cenário.

Além do Centro Nacional de Segurança Cibernética, o Departamento de Cultura, Mídia e Esporte do país também deve publicar nos próximos meses uma declaração do tipo, voltado ao uso dos aparelhos em redes 5G, para definir de vez o uso de celulares da Huawei na região. Enquanto isso não acontece, grandes operadoras do Reino Unido como a Vodafone, a Three e a EE já assinaram acordos com a Huawei de antemão, permitindo o funcionamento de seus planos de cobertura em produtos da marca.

Fonte: B9

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.