O senador Lucas Barreto (PSD–AP) listou nesta quarta-feira (13) em Plenário, as dificuldades enfrentadas por seu estado em diversos setores e classificou o Amapá como uma sociedade “órfã do desenvolvimento” e esquecida por representantes das nações. O senador criticou as ações em defesa da preservação ambiental no estado, que para ele têm dificultado o crescimento econômico e ficam apenas nas promessas.

— Fomos levados por uma falsa e vaga promessa de pensarmos globalmente e que as ONGs, o Estado brasileiro e os países ricos nos ajudariam em nosso desenvolvimento sustentável pela via compensatória. Foi, certamente, o maior ‘fake ecoplanetário’ já pregado contra o Estado brasileiro — disse o senador.

O parlamentar afirmou que a maior preocupação dos países ricos não é com a população do Amapá, e sim, com as unidades de preservações que estão no território. Para ele o governo tem um débito com o estado, onde se encontram os piores índices de saneamento básico. Ele disse ser necessário construir uma nova estação de capacitação, tratamento de esgoto e de uma rede para zona norte e oeste de Macapá.

Lucas Barreto afirmou ainda  que o povo do Amapá pode ficar “sem território e sem futuro”, se as atividades econômicas em seu território continuarem sendo restringidas, sob pretexto de ampliar áreas protegidas.

Ele também fez um apelo ao presidente da República, Jair Bolsonaro:

— Senhor presidente, nós precisamos do Brasil não como arrecadador de nossas riquezas e usurpador de nossos sonhos; precisamos, sim, do Brasil como aliado na construção de nosso futuro, que se faz presente e urgente.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte: Senado Federal

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.