RMA Comunicação e RP1 unem forças. Com fusão, elas devem apresentar ao mercado a terceira maior agência de comunicação do país. A nova empresa receberá  o nome de RPMA

A terceira maior agência de comunicação corporativa do Brasil nascerá ainda neste trimestre. A RMA Comunicação e a RP1 se fundiram em uma única empresa, que passará a se chamar RPMA. A fusão foi anunciada ao mercado nesta segunda-feira, 11.

A liderança do mercado continua sendo da FSB Comunicação, com receita anual bruta de R$ 215 milhões. Em seguida, aparece a CDN/DDB, com R$ 172 milhões. Na terceira posição, vem a In Press Porter Novelli, com R$ 116 milhões. Os dados são do Anuário da Comunicação Corporativa de 2018, com dados de 2017.

A RPMA deve tomar o terceiro lugar da In Press Porter Novelli e se tornar a maior agência com capital inteiramente nacional — ou seja, sem sócio estrangeiro — operando no Brasil. Claudia Rondon, fundadora da RP1 (+), será co-CEO da nova agência ao lado de Marcio Cavalieri, sócio da RMA (+).

As conversas começaram em 2017 e o negócio já está concretizado, mas fisicamente as agências ainda operam separadamente. A junção dos escritórios vai acontecer em até dois meses. Os sócios estão confiantes no crescimento da nova empresa por enxergarem alta sinergia operacional.

Claudia Rondon e Marcio Cavalieri, co-CEOs da RPMA (Imagens: divulgação)

História: RP1 & RMA

A RP1 foi fundada em 2000 por Claudia Rondon, que em sua carreira havia ocupado anteriormente cargos relevantes, como gerente de comunicação da Fischer, Justus, Young & Rubicam e diretora da In Press Porter Novelli, da qual foi sócia. A RP1 hoje conta com cerca de 70 clientes, segundo consta em seu site corporativo.

A RMA também nasceu na leva de agências bem-sucedidas do final dos anos 1990 e início do milênio. Augusto Pinto, um dos fundadores, havia trabalhado como gerente de filial da IBM antes de assumir o cargo de CEO da SAP no Brasil. Antes de fundar a RMA, em 2001, ocupou o cargo de vice-presidente da Siebel Systems na América Latina.

Os percentuais da nova sociedade não foram revelados, mas sabe-se que a RMA é maior do que a RP1.

A fusão é emblemática para o momento que vive o mercado brasileiro. Houve recentes movimentações em outros segmentos da comunicação. Em outubro de 2018, por exemplo, a Accenture comprou a New Content, especializada em content marketing. Na esfera de agências dissidentes da atividade de assessoria de imprensa,

O mercado de agências de comunicação movimenta cerca de R$ 2,5 bilhões por ano no país. Há hoje 1.500 agências. O crescimento no número de empresas foi de quatro vezes. Há dez anos, eram cerca de 400.

Leia mais:

***

Por Cassio Politi — especial para o Portal Comunique-se.

Fonte: Comunique-se

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.