O Twitter divulgou recentemente um relatório de segurança relacionado aos estudos que a própria empresa fez sobre as eleições americanas de 2018. A empresa informou que suspendeu milhares de contas de Bangladesh, Irã, Venezuela e Rússia.

O motivo para o banimento é as contas estariam ligadas a esquemas para utilizar a plataforma para manipular a opinião pública. “A maioria dessas contas foi suspensa previamente no dia da eleição. Temos tecnologias e ferramentas internas cada vez mais preparadas para identificar a manipulação de plataformas” diz um trecho do relatório.

As contas suspensas foram avaliadas como tendo caráter duvidoso, baseado em uma análise de contextos e semântica dos times de investigação do próprio Twitter. Vale lembrar que o caso não é inédito. Em agosto de 2018, o Twitter divulgou na plataforma um curto relatório, dizendo que suspendeu 284 contas que tentavam organizar movimentos de manipulação.

Yoel Ruth, um dos responsáveis pela segurança do Twitter, também se manifestou por um post no blog da rede social: “é nossa crença fundamental que a situação dessas contas deve ser de conhecimento público e acessível para que a população, o governo e pesquisadores possam investigar, aprender e criar melhores sistemas de prevenção e segurança no futuro”.

O Twitter fecha seu comunicado dizendo que a manipulação de informações para fins nacionais ou geopolíticos não é novidade e faz parte da história humana, independente do viés ideológico. A empresa afirma que tal comportamento é contra seus valores, e promete continuar aprendendo, evoluindo e construindo meios tecnológicos para enfrentar a desinformação.

Fonte: B9

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.