Em sua coluna, Cassius fala sobre a importância da presença dos quadrinhos no Prêmio Jabuti e na Comic Con Experience

Calma, caro leitor. Logo explicarei esse “baixa” entre aspas do título. Mas vamos começar com as histórias em quadrinhos no Prêmio Jabuti. 

Este foi o segundo ano da categoria no Jabuti, e já dá pra dizer que os quadrinhos se consolidaram no prêmio. Fui jurado da categoria este ano e fiquei muito contente em ver o bom número de inscritos e alto nível das histórias. Pelo menos cinco ou seis finalistas poderiam ter ganhado o prêmio.

Outro indicio de que os quadrinhos estão em alta no Jabuti foi ver muitos profissionais ligados as HQs, autores, editores, jornalistas especializados e agregados, presentes na premiação, todos ansiosos e felizes por estarem ali, numa bela integração do mercado editorial.

Ter a chancela do Jabuti ajuda bastante o mercado de quadrinhos a largar seu complexo de vira-lata e acreditar que tem espaço e é importante para o mercado editorial. Em contra partida, o Jabuti ganha em diversidade e se revitaliza ao incluir e manter a categoria de Histórias em Quadrinhos, contribuindo e muito para a união do mercado editorial em um momento tão difícil.

Já a Comic Con Experience, que acontece esta semana, de 5 a 9 de dezembro em São Paulo e é o maior evento Geek da América Latina e um dos maiores do mundo, parece perder fôlego quando o assunto são os quadrinhos. Não que tenha pouca coisa, por isso as aspas no “baixa” do título.

A CCXP é, de longe, o melhor evento de cultura pop do Brasil. E, este ano, terá um dos maiores Artists Alley (beco dos artistas) do mundo, com mais de 300 mesas e mais de 500 quadrinistas expondo, vendendo e autografando seus trabalhos. Virão vários autores internacionais também. Por outro lado, poucas editoras estarão presentes com estandes e nem a Comix, maior lojas de quadrinhos do Brasil, terá estande este ano. Com isso, a oferta de quadrinhos e a experiência do contato entre leitor e editores acaba reduzida.

Entendo que a feira é um negócio, mas acredito que ter as editoras como parceiras poderia fazer muito bem ao evento. Poderia se criar um “Beco das editoras”, onde também se poriam as lojas especializadas, como acontece em muitos grandes eventos de quadrinhos no exterior, e isto seria um belo chamariz para a CCXP, atraindo este público específico e melhorando a experiência dos visitantes, e ao mesmo tempo, é claro que seria ótimo para lojas e editoras pois, com a crise do mercado editorial estar em contato direto com seu público-alvo é fundamental.  

Quem sabe isso não seja possível no futuro? Eu espero que sim e, verdadeiramente, acredito que um dos caminhos que temos para enfrentar essa crise é a união de autores, editoras, eventos e lojas em torno de objetivos comuns: sobrevivência e expansão do nosso mercado.

Sugestão de Leitura: Falando em Jabuti, minha sugestão de leitura é a lista inteira dos finalistas do Jabuti deste ano. Lendo todos, você terá uma ótima noção do tanto de coisas legais e diferentes que estão sendo publicados hoje no Brasil, indo de Mauricio de Sousa e suas Graphics MSP até Angola Janga (Veneta), o álbum vencedor escrito pelo Marcelo D’Salete e que trata sobre os quilombos no Brasil, passando pelo incrível álbum de tiras Morrer de Amor e Continuar Vivendo (Instante), da Lorena Kaz.

Marcelo D'Salete vencedor da categoria Histórias em quadrinhos com o livro 'Angola Janga'

Marcelo D’Salete vencedor da categoria Histórias em quadrinhos com o livro ‘Angola Janga’

Fonte: Publish News

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.