Este post faz parte do RD Summit Live Show, a cobertura completa do RD Summit 2018. Além de artigos, teremos entrevistas com palestrantes, fotos, vídeos e mais durante os três dias de evento. Visite a página da cobertura e fique por dentro de tudo!

A palestra de Fernando Kimura, especialista em neuromarketing e inovação em comunicação, no RD Summit 2018 foi uma experiência essencialmente sensorial. Ele usou vídeos, imagens, música e acessórios para instigar a plateia.

Ele usou até mesmo dois convidados: Leonardo Bonetto, que chegou a assumir o palco em um determinado momento, e Denize Alves, a “voz do inconsciente” que dá nome à palestra. Ao final, Kimura se emocionou e foi aplaudido de pé pelo público.

Por tudo isso, não é uma tarefa fácil descrever essa experiência em texto, mas vou tentar transmitir um pouco da mensagem. Recomendo que você assista a uma apresentação de Fernando Kimura, se tiver oportunidade.

Nossa relação com o consumo

A primeira parte da palestra apresentou provocações, levando a plateia a questionar os motivos pelos quais compram produtos e serviços. “Compro, logo existo”, disse Kimura, subvertendo famosa frase de René Descartes.

“Nós somos um pouco daquilo que nós consumimos”, continuou. Ele ainda lembrou que as marcas compreenderam que podem fazer com que nossas vidas tenham mais sentido.

Dessa forma, as empresas trabalham de forma a seduzir nosso inconsciente, usando conceitos da Gestalt. “Até onde vale uma vida 100% racional?”, questionou Kimura.

Mais marketing inclusivo

Depois desse primeiro momento, Fernando Kimura passou a debater questões de como encaramos o consumo atualmente. Falou na geração selfie, focada muito no “eu” e na polêmica série de vídeos “Quanto vale o outfit?”

Em contraponto, apresentou uma campanha de conscientização a respeito da tragédia ambiental de Mariana, em Minas Gerais. “Acabamos vivendo uma irrelevância digital, as redes sociais ficaram difíceis, perdemos o olhar do que é relevante”, comentou.

Para encerrar, Kimura e Bonetto apresentaram um vídeo pedindo campanhas mais inclusivas, mostrando a diversidade brasileira. Foi um momento de grande emoção, tanto do palestrante quanto da plateia.

O recado final de Kimura foi um pedido de humanização da nossa comunicação. “Inovação requer mais que dinheiro, requer ousadia”, pediu.

Marcadores:

Fonte: Resultados Digitais

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.