Foram muitos anos de rumores e promessas lançadas ao vento, mas este dia finalmente chegou: a Samsung revelou hoje (7) em uma conferência sediada em São Francisco o conceito do seu telefone dobrável.

Intitulado Infinity Flex Display, o modelo a princípio deve ser lançado nas lojas já no ano que vem e não conta com maiores detalhes além da demonstração visual que a empresa fez na apresentação. No evento, ficou bem claro que os avanços criados pela marca permitem agora que o celular vá do tamanho de um mini tablet para um celular de bolso em questão de um movimento rápido. Confira abaixo o momento da revelação.

A Samsung não é a primeira empresa a divulgar um celular dobrável, mas por ser provavelmente a primeira a dar entrada no mercado com um produto do tipo nos próximos meses ela deve causar uma enxurrada de outras fabricantes para dentro do segmento nos próximos meses. Antes da marca de origem sul-coreana anunciar o Infinity Flex, a chinesa Royale já havia anunciado ontem um celular dobrável nomeado FlexPai com o preço inicial de 1300 dólares, enquanto a Huawei declarou ontem estar trabalhando em um modelo do tipo com abertura pro 5G.

Enquanto as fabricantes começam a aquecer os motores, o Google já se mostra preparada para abarcar a nova onda do mercado ao anunciar que o sistema Android vai ter suporte para aparelhos do tipo e opções de facilitação para que desenvolvedores adaptem seus aplicativos aos novos mecanismos. Na recém-realizada conferência da Android Dev Summit, o vice-presidente de engenharia do sistema da empresa David Burke afirmou aos desenvolvedores presentes que o Google está “melhorando o Android para se aproveitar deste novo fator com o mínimo de trabalho necessário” e que ela “espera ver produtos dobráveis para diversos produtores Android” nos próximos meses. Confira abaixo um modelo do que pode ser o sistema para a nova tecnologia:

A Samsung ainda não divulgou os preços ou os modelos que vão contar com o Flex Display.

Fonte: B9

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.