Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Estudantes simularam o dia a dia da atividade parlamentar ao longo de uma semana na Câmara dos Deputados

Estudantes de ensino médio de todo o País participaram nesta sexta-feira (5), no Plenário da Câmara dos Deputados, da sessão deliberativa que encerrou as atividades da 15ª edição do Parlamento Jovem. Na sessão simulada, os participantes votaram e aprovaram dois projetos de lei, escolhidos entre 78 propostas.

O primeiro prevê a implementação de cursos profissionalizantes de idiomas como inglês, espanhol e francês na modalidade sinalizada para jovens deficientes auditivos. O objetivo é que essas pessoas possam conversar com estrangeiros e em outros países.

O autor, o estudante Rodrigo Correa Braga, que é surdo, explicou através de um tradutor da língua de sinais que o direito de se comunicar não pode ser negado a ninguém.

“Queremos usufruir do mesmo direito que vocês, ouvintes, têm. Ir para outros países e poder se comunicar e se qualificar. É difícil querer ir para os Estados Unidos aprender inglês e ter a barreira comunicacional. Eu, como surdo, quero que vocês possam votar a favor da acessibilidade e mostrar que vocês são iguais a mim. Eu sou igual a vocês”, afirmou.

Reabilitação psicossocial
O segundo projeto aprovado determina a implementação de tratamento clínico para reabilitação psicossocial de indivíduos com transtorno de preferência sexual por crianças, em centros de atenção psicossocial do Sistema Único de Saúde (SUS).

O autor, o estudante Guilherme de Mâcedo Feitosa, chamou a atenção para o fato de que a pedofilia pode resultar de um transtorno mental. “A saúde tem que ser preventiva. Imagina quantos casos de abuso contra menores não seriam mitigados se esse projeto fosse implementado. Imagina a redução drástica do consumo de pornografia infantil se esses indivíduos procurassem tratamento e, assim, não realizassem tais crimes.”

Embora os projetos de lei debatidos no Parlamento Jovem façam parte de uma simulação, eles ficam disponíveis aos deputados, que podem apresentar proposições a partir dessas ideias. Duas propostas apresentadas pelos adolescentes em 2017 foram adotadas por parlamentares e tiveram tramitação normal na Câmara dos Deputados.

Fonte: Câmara dos Deputados

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.