É tradicional – e mesmo inevitável – que quando se vá comer em um restaurante chinês você também consuma um biscoito da sorte, em busca de um “conhecimento milenar” expresso em forma de provérbio de porta de banheiro mais seis números que te ajudem a nortear a vida dali pra frente. Nos Estados Unidos, porém, esta sabedoria de séculos está começando a aparecer acompanhada de um material nem tão sábio assim, a tal da publicidade.

A proposta inusitada de vender coisas nos bilhetinhos da famosa sobremesa veio da Open Fortune, firma especializada na impressão destas mensagens e que agora passou a veicular campanhas na parte de trás destes papeizinhos. Criada por Shawn Porat e Matt Williams, a empresa é parceira de dezenove mil restaurantes chineses e conta com um mercado bastante amplo para se atuar.

É da natureza inusitada dos anúncios que os donos também garantem no site oficial da empresa que divulgar seus produtos em seus biscoitos gera uma taxa alta de 95% de retorno financeiro. Enquanto algumas marcas já começaram a fechar negócio com a Open Fortune – incluindo a Missouri Lotery, a Capital One e a Bloomingdale’s(!) – o plano de atuação da fabricante de mensagens de sorte já vem chamando a atenção das redes sociais, com o público aos poucos descobrindo e repercutindo a ousadia da ação no Twitter e no Reddit.

Em números, o espaço de anúncio chega a ser assustador de tão grande. Com cerca de 300 milhões de biscoitos da sorte sendo distribuídos todo mês no território norte-americano, os dois fundadores dizem que potencialmente uma marca possa estar presente em mais de 10 milhões de biscoitos a cada campanha firmada, um plano que contempla bem a escala nacional da atuação da Open Fortune.  “Nós ajudamos as marcas a costurar a mensagem e a adicionar frases de impacto de uma linha na parte de baixo do anúncio” afirma Porat em entrevista ao AdWeek; “É tudo uma questão de se divertir um pouco com isso”.

Fonte: B9

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.