É parte da cultura dos Estados Unidos que crianças e pré-adolescentes ganhem um dinheiro com “trabalhos de verão”. Nesses trabalhos, os jovens realizam atividades simples, como levar um cachorro para passear ou cortar a grama do vizinho, em troca de alguns trocados. O Instagram, porém, parece ter elevado os “trabalhos de verão” a um novo nível.

Como reportou o The Atlantic, algumas marcas estão pagando adolescentes e pré-adolescentes para que eles postem conteúdo patrocinado no Instagram. Pequenas marcas de startups, como Jane Cosmetics, Doux Lashes e Boogzel Apparel recrutam jovens usuários da rede social para anunciar suas roupas e acessórios na plataforma, pagando geralmente algo entre 5 e 20 dólares por postagem. As ofertas são feitas via mensagem direta e raramente envolvem um contrato formal.

Para as marcas, os adolescentes comuns são melhores parceiros do que as celebridades das redes sociais, já que aqueles que possuem muitos seguidores, os chamados “digital influencers”, costumam cobrar quantias superiores a 500 dólares por um post patrocinado – em casos excepcionais, essas postagens podem custar até 30 mil dólares.

A diferença, claro, é o alcance. Por não terem um grande público, esses adolescentes não possuem contratos de agenciamento que os assegurem valores maiores. Com isso, as marcas investem menos e utilizam mais perfis para anunciar. É provável, portanto, que a estratégia transforme um pouco o mercado de “influenciadores digitais” como conhecemos.

Fonte: B9

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.