As cúpulas do Congresso ficarão iluminadas com a cor rosa, até o dia 15 de junho, para lembrar o mês de conscientização com respeito à linfangioleiomiomatose (LAM), doença rara que ataca os pulmões e que, muitas vezes, é confundida com enfisema, asma ou bronquite. A solicitação foi feita pela Associação dos Portadores de Linfangioleiomiomatose do Brasil (Alambra).

A LAM tem como característica a presença de células musculares atípicas nos pulmões e, atualmente, é considerada uma neoplasia de baixo grau. A evolução da doença é variável. Em alguns pacientes pode permanecer estável, mas, em outros, pode haver a piora progressiva dos sintomas e das funções dos pulmões

Os portadores da doença dispõem de uma série de direitos, entre eles o tratamento fora do domicílio, indicado para pacientes que não encontram o tratamento adequado no município ou estado em que reside. O benefício, instituído pelo Ministério da Saúde, inclui o fornecimento de passagens para o deslocamento e ajuda de custo para alimentação e hospedagem, caso necessário.

Após avaliação médica, os portadores da LAM devem seguir uma rotina com hábitos saudáveis e praticar exercícios físicos sob orientação médica.  Não é recomendada a prática de mergulho e viagens aéreas para regiões de altitude, exceto com autorização médica.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte: Senado Federal

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.