O senador Jorge Viana (PT-AC) acusou o presidente Michel Temer de agravar a crise institucional do país ao decretar intervenção no estado do Rio de Janeiro. Para o senador, o decreto tem fins eleitorais e busca manipular a demanda por segurança pública, usando as Forças Armadas para dar sobrevida a um governo “moribundo”.

– Não ouviram os militares, não ouviram os comandantes, não ouviram as autoridades ligadas à área, os especialistas. Tomaram uma medida olhando para as pesquisas eleitorais. Tomaram uma medida no porão do Palácio do Planalto, pondo em risco o prestígio, o respeito que o Exército, que as Forças Armadas têm no país, e que que precisam manter – afirmou.

Jorge Viana questionou os motivos da intervenção, sublinhando que Temer e o governador Luiz Fernando Pezão pertencem ao mesmo partido. O senador associou a crise de segurança à situação de falência dos estados, agravada pela imposição do teto de gastos públicos. Ele acrescentou que o setor público precisa de eficiência, não de encolhimento.

Jorge Viana, que lamentou o descrédito dos poderes da República, disse que Michel Temer não tem prestígio para as decisões necessárias ao país: em sua avaliação, os apoiadores do presidente terão dificuldade para pedir votos nas eleições deste ano.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte: Senado Federal

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.