Crédito: Camila Souza/GOVBA

A imagem que se faz sobre a educação pública no Brasil é muito pior do que a realidade. É isso que indica um estudo do IDEIA Big Data realizado em dezembro de 2017 e divulgado agora. “Há uma tendência ao pessimismo, desenhando um quadro muito pior do que os fatos”, afirma Mauricio Moura, fundador do IDEIA e professor da Universidade George Washington.

A pesquisa foi realizada em parceria com o Movimento Mapa Educação e ouviu 1.200 pessoas. Em artigo publicado no jornal Folha de S. Paulo, Maurício Moura e Carolina Campos, do Mapa, descreveram alguns dos achados. “Acredita-se que o número de escolas com acesso à internet é menor do que realmente é, que o investimento estadual e municipal é inferior ao valor real (e que é constitucionalmente definido) e que o salário dos professores é ainda menor do que realmente é”, afirmam.

Mas, segundo ambos, as conclusões não causam espanto. As visões mais distorcidas, pelo que apontam os dados colhidos pelo IDEIA Big Data, são mais comuns entre aqueles que não utilizam o ensino público. Entre os usuários dos serviços, as percepções são mais acuradas.

Um exemplo disso é o questionamento sobre as taxas de analfabetismo no país, que é de 8%. Para 60% dos entrevistados, as taxas eram superiores aos 10%. Contudo, o índice de acerto era muito maior entre os mais jovens, que podem ter acessado o ensino público no curto prazo.

Outro exemplo é a percepção sobre a nota média do Ideb nos anos iniciais da educação básica, que é de 5,5 pontos. Entre os entrevistados das classes A e B, cuja maioria usa escolas privadas, apenas 23% acertaram a pontuação. Já entre os respondentes da classe E o percentual de acerto foi quase o dobro.

“Quanto maior a proximidade com a escola pública, menor a cegueira”, conclui Maurício Moura. O pesquisador explica que essa conclusão é determinante para poder cobrar com mais precisão e eficácia os administradores públicos por melhorias no ensino. “É exatamente essa exatidão que precisamos em 2018”, afirma, fazendo referência às eleições que se aproximam.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.