R$ 2,6 bilhões estão disponíveis no sétimo lote do abono de 2016. Saiba se você tem direito ao benefício


publicado:
18/01/2018 12h26


última modificação:
18/01/2018 12h34

                                                                                                                                                                         Divulgação/Caixa

Trabalhadores da iniciativa privada, nascidos entre janeiro e fevereiro, ou servidores públicos com final da inscrição 5 já podem sacar o abono salarial de 2016. Na parcela liberada nesta quinta-feira (18), 3,5 milhões de brasileiros terão acesso a R$ 2,6 bilhões.

O pagamento do beneficio do ano-base de 2016 começou a ser feito em julho do ano passado, e o prazo para saque termina em junho deste ano. No total, já foram pagos R$ 8,11 bilhões dos R$ 16,9 bilhões disponíveis no atual calendário do PIS/Pasep.

Quem tem direito?

Têm direito ao beneficio os brasileiros que estão registrados há, pelo menos, cinco anos no PIS/Pasep, com remuneração média mensal de até dois salários mínimos. Além disso, o cidadão precisa ter trabalhado ao menos 30 dias corridos no ano-base em vigor.

Como sacar?

Para quem trabalha no setor privado, o abono pode ser sacado nos terminais de atendimento da Caixa Econômica ou na Lotérica, se tiver o Cartão Cidadão. Se esse não for o caso, o dinheiro pode ser retirado em qualquer agência da Caixa, mediante documento de identificação.

No caso dos servidores públicos, cujo pagamento é feito pelo Banco do Brasil, recebem diretamente na conta-corrente. Caso isso não aconteça, o dinheiro pode ser retirado em qualquer agência da instituição.

Fonte: Governo do Brasil, com informações da Caixa e do Ministério do Trabalho

Fonte: Governo Federal

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Central da Pauta.